domingo, 1 de maio de 2011

O bem do mar é o mar é o mar é o mar é o mar

Permito ao teto sufocar.
Estou brega e redundante de novo.
Mas tudo é mais fácil na areia.
O mar balança a noite toda e assim a gente não morre.
Temos 15 anos e o sonho de um mundo inteiro nas nossas bocas. Na contra mão de tudo.
Virilha molhada. Os olhos cheios.
Tudo é novo. Eu quero tudo eu quero tudo eu quero tudo e tenho medo e não quero mais e depois quero de novo.
Outro pulmão que respira e verte e entende.
O gosto da tinta tá ficando velho...

E agora 850 quilômetros de asfalto quente entre nós.


Os tempos de emancipação emocional chegaram.
Então eu acordo e sacudo os sonhos do meu cabelo.

3 comentários:

bea disse...

outro pulmão que respira e verte e entende - nada poderia ser mais preciso.

[bea]

Nana Macedo disse...

Caramba, eu gostei muito desse jeito seu de escrever.

.--..- disse...

Tuas palavras são mágicas.